SUCESSO ‘FABRICADO’ EM SALA

1 11 2008

Natália von Korsch e Maria Luisa Barros (do “DIA”)

Para especialistas, bons resultados de colégios municipais se devem a distorção do sistema de ciclos

Rio – A promessa do prefeito eleito Eduardo Paes (PMDB) de pôr um ponto final na aprovação automática nas escolas municipais do Rio divide alunos, pais e educadores quanto à eficácia do programa pedagógico que instituiu o sistema de ciclos na rede pública de ensino. As escolas do Rio de Janeiro estão entre as 10 melhores de redes municipais do País, segundo o Índice Nacional de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). A capital ocupa a terceira posição no indicador do Ministério da Educação (MEC) que avaliou estudantes do Ensino Fundamental. Mas, para especialistas, o bom desempenho do município é distorcido pelos índices de aprovação em massa. “O Ideb leva em conta a repetência. Se não há reprovação, o índice carioca sobe acima de muitas outras capitais brasileiras. É um processo de mascarar a realidade”, critica Wiria Alcântara, diretora do Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação (Sepe-RJ).

EVASÃO ESCOLAR

O sistema de ciclos no município impôs o fim da repetência dos estudantes do 1ª ao 8º ano do Ensino Fundamental e a substituição das séries por três ciclos. O critério para matrícula nas turmas passou a ser por idade, e a reprovação foi praticamente abolida. Os conceitos Ótimo (O) e o Insuficiente (I) foram extintos do boletim escolar. Passaram a valer apenas Muito Bom (MB), Bom (B), o Regular (R).Professor da Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense (UFF), Nicholas Davies considera a aprovação automática um “equívoco”: “É apenas uma forma de melhorar estatísticas, já que a repetência diminui drasticamente. Mas o aluno não aprende e vai sendo empurrado para a série seguinte”. Segundo ele, Paes tem um desafio pela frente: “O aluno deve ter prazer em aprender, coisa que a aprovação automática não faz, apenas cria uma ilusão”. Para a professora do curso de Políticas Públicas e Educação da Uerj Eveline Algebaile, não adianta retornar ao sistema antigo, pois a reprovação sistemática eleva a evasão escolar. “É fundamental iniciar um processo de modificação estrutural nas escolas. É um trabalho árduo de longo prazo, mas basta planejamento para dar certo”, diz. Segundo ela, é preciso reduzir número de alunos por turma, aumentar a jornada escolar e dar mais tempo para que os professores preparem suas aulas e se dediquem a cursos.

Estudantes desmotivados

Apesar da pouca idade, Jonas da Silva, 8 anos, sente na pele os efeitos do sistema de avaliação implementado pelo prefeito Cesar Maia. Aluno da Escola Municipal Ministro Orozimbo Nonato, em Higienópolis, ele está no 2º ano e ainda não sabe ler ou escrever.

“Não estou aprendendo nada, só começaram a ensinar a ler e escrever agora. Não sei fazer conta também e mesmo assim passo de ano. Eu queria aprender mais, porque gosto de estudar, é legal”, lamenta o pequeno estudante.Apesar de grande parte não ter idade para votar, os alunos da rede municipal de ensino já criam expectativa para as primeiras ações do prefeito eleito. E o motivo não tem nada a ver com militância partidária ou simpatia pelo ex-candidato. Eles aguardam que o futuro prefeito cumpra uma das muitas promessas feitas durante a campanha: acabar com o sistema de progressão continuada, mais conhecido como aprovação automática, nas escolas do município.

“Ele vai nos fazer um favor se realmente cumprir a promessa, pois nós vamos acabar sendo prejudicados mais à frente se esse sistema continuar. É verdade que a gente tem de estudar para aprender e não para passar de série, mas saber que vamos ser aprovados de qualquer jeito no fim do ano desestimula muito”, explica o estudante Márcio de Oliveira, 14 anos, que cursa o 6º ano do Ensino Fundamental na Escola Municipal Soares Pereira, na Tijuca. Aluno do 6º ano da Escola Municipal Cardeal Leme, em Benfica, Christian Borges, 13 anos, conta que seu rendimento escolar diminuiu depois de instituída a aprovação automática. “Esse sistema só é bom para quem não quer estudar. Antes eu era um bom aluno, mas fiquei desmotivado e agora só tiro notas ruins. Estou feliz porque vai acabar, já que só íamos sentir os efeitos na hora de fazer o vestibular, quando todo mundo passaria para a faculdade, menos os alunos de escola municipal”, acredita o jovem estudante.

 

Anúncios

Ações

Information

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: