UERJ AVALIA BAIXA ADESÃO AO SISTEMA DE COTAS

12 05 2008

Procura de cotistas pelo vestibular caiu 75% de 2003 a 2008 na instituição.
Em 20 mil alunos, apenas 6,35 mil ingressaram por meio da reserva de vagas.

Da Agência

Primeira a adotar o sistema de reserva de vagas no País, em 2001, a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) faz uma avaliação da medida. Atualmente, a instituição tem em torno de 6,35 mil alunos que ingressaram por meio das cotas, num universo de cerca de 20 mil. Uma das perguntas para as quais procura resposta é: por que cada vez menos cotistas se inscrevem no vestibular? De 2003 a 2008, a procura caiu 75%, segundo a sub-reitora de Graduação, Lená Menezes. Lená afirmou suspeitar que o Programa Universidade para Todos (ProUni), criado em 2005, que prevê a concessão de bolsas de estudo a estudantes pobres, seja um dos responsáveis pela queda no número de inscritos. Isso porque muitos alunos optam por estudar mais perto de casa para reduzir gastos com transporte. “Num primeiro momento, existiu uma expectativa grande de que o ingresso na universidade, por si só, resolveria questões de injustiça social. Houve uma certa euforia”, lembrou, ao justificar o elevado número de inscritos em 2003. O grupo de trabalho criado pela Uerj começou a se reunir em março e não tem ainda conclusões sobre a análise. O objetivo da avaliação é entender o sistema e melhorar o acompanhamento dos cotistas e dos formados, agora que duas turmas concluíram a graduação. “Queremos ver se eles estão mesmo em outros patamares de oportunidades”, afirmou. As cotas valem em três universidades e institutos da Fundação de Apoio à Escola Técnica do Estado do Rio de Janeiro (Faetec). Na Uerj, funciona o Programa de Iniciação Acadêmica (Proiniciar), que visa a auxiliar os cotistas durante o curso. Em oficinas de leitura e escrita, é oferecido reforço para quem precisar. Atividades culturais ajudam na inserção na vida acadêmica, conforme afirmou a sub-reitora de Graduação da Uerj. Nos dois primeiros anos, todos recebem 190 reais (para o restante do curso, a Uerj informa que não dispõe de verba, atualmente). Existe um plano de aumentar o valor para 250 reais.

Estudante

Para o estudante de Filosofia Cyro Garcia Júnior, na Uerj desde 2004, ainda seria pouco. “Tinha de ser um salário mínimo (415 reais), pelo menos”, disse Garcia Júnior, que, com os 190 reais, nem consegue pagar as passagens de ônibus de trem de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, até a Uerj, no Maracanã. Ele dá aulas na Educação e Cidadania de Afrodescendentes e Carentes (Educafro), rede de pré-vestibulares comunitários, no centro, e ganha um salário mínimo. Em casa, ajuda os pais com R$ 100.

 

Anúncios

Ações

Information

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: