Alunos expulsos em Barueri voltam hoje às aulas

7 05 2008

Secretário de Educação disse que escola na Grande SP está virando ‘campo de guerra’.
Estudantes de Escola Tarso de Castro o acusaram de dar declarações racistas; ele nega.

Do G1, com informações do Bom Dia São Paulo

Os 41 alunos expulsos da Escola Tarso de Castro, em Barueri, na Grande São Paulo, devem voltar às aulas na manhã desta quarta-feira (7). No dia 30 de abril, 28 estudantes do turno da manhã e 13 do turno da tarde da escola tiveram uma reunião com o secretário de Educação do município, Celso Furlan. Após o encontro, eles foram para suas casas com os prontuários escolares e informação de que não deveriam voltar às salas de aula. A decisão de permitir a volta dos alunos foi tomada na terça (6), durante uma reunião entre o secretário, o prefeito de Barueri, um promotor do Ministério Público e alguns pais dos alunos.

 Racismo – Pais e estudantes acusam o secretário de ter humilhado o grupo e de ter dito palavras racistas e de discriminação no encontro do dia 30. O secretário afirma que não houve nenhum tipo de atitude racista e que os estudantes foram suspensos por mau comportamento. “Eu posso te garantir com todas as letras, racismo não houve e não há”, afirmou. “(Ele falou) que a gente era bandido. Falou que era para nós irmos roubar”, disse um dos alunos. “Chamou de macaco, falou que nosso lugar era na rua”, afirmou um colega.

Defesa – O secretário Celso Furlan disse à reportagem do G1 que teve de afastar os alunos da escola porque não havia mais como mantê-los no local. “Eu tive de tomar uma medida drástica. Os alunos querem bater em professor, querem quebrar tudo. Colocaram pimenta na orelha de uma menina, laxante na merenda da escola. Está virando um campo de guerra isso aqui, e eu não posso deixar acontecer uma coisa dessas”, disse. Furlan conta que os pais de alguns alunos já tinham sido chamados mais de dez vezes e nunca foram à escola para saber o que estava ocorrendo. “Eu peguei o prontuário dos alunos. Coloquei todos os 28 de manhã e os 13 da tarde em uma sala. Eu disse: ‘os prontuários de vocês estão aqui. Eu vou entregar para cada um de vocês e vocês vão levar para os seus pais. Diga para eles irem até o promotor público ou o juiz da Infância e Juventude. Se o juiz falar assim: ‘secretário, pega ele de volta’, eu pego”, disse. O secretário disse ainda que posição assumirá caso haja novos problemas na escola. “Qualquer coisa que eles fizerem na escola, eu não comunico mais para os pais. Faço, na hora, um documento e encaminho para o promotor. Aí ele que tome as medidas cabíveis.”

Anúncios

Ações

Information

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: